Tese que gerou o filme

Tese: “Educação, autoritarismo e eugenia: exploração do trabalho e violência à infância desamparada no Brasil (1930-1945)”
Fonte: Sidney Aguilar Filho
Orientadora: Ediógenes Aragão Santos
Unidade: Faculdade de Educação da UNICAMP

Área de concentração: Filosofia e História da Educação
Titulação: Doutor em Educação
Banca:
Ediógenes Aragão Santos [Orientador]
Circe Bittencourt
Lúcia Bruno
Macioniro Celeste Filho
Carmen Lúcia Soares

Resumo:
Este texto analisa aspectos da educação brasileira entre 1930 e 1945 a partir de relatos de vida de cinqüenta meninos “órfãos ou abandonados” sob a guarda do Juizado de Menores do Distrito Federal. Eles foram retirados do Educandário Romão de Mattos Duarte, da Irmandade de Misericórdia do Rio de Janeiro e levados para uma propriedade privada em Campina do Monte Alegre-SP. A transferência dessas crianças de nove a onze anos de idade foi respaldada pelo Código do Menor de 1927. Por uma década, estas crianças, foram submetidas a uma escolaridade precária, a uma educação baseada em longas jornadas de trabalho agrícola e pecuário sem remuneração. Foram submetidos a cárcere, a castigos físicos e a constrangimentos morais em fazendas de membros da cúpula da Ação Integralista Brasileira, também adeptos declarados do nazismo. Esta tese defende que os “meninos do Romão Duarte” foram vítimas de uma política do Estado brasileiro que ao estimular a educação eugênica, como definia o artigo 138 da Constituição de 1934, favoreceu a segregação de crianças e adolescentes. A documentação utilizada na narrativa fez uso de fontes oficiais, midiáticas articulando-as de forma complementar aos registros de depoimentos orais na reconstrução do período.

AguilarFilhoSidney_Dhttp://www.menino23.com.br/wp-content/uploads/2015/10/AguilarFilhoSidney_D.pdf